Gaiolas apreendidas durante as operações da Polícia Ambiental se tornam “case de sucesso”

O projeto Quem Ama Deixa Voar, que visa contribuir para o crescimento do escotismo catarinense por meio das boas práticas, foi selecionado para o XIV Congresso Avistar Brasil 2019. Trata-se do maior evento de visitação de pássaros do País. O evento acontece de 17 a 19 de maio, em São Paulo e o trabalho do Quem Ama Deixa Voar, será apresentado na manhã do dia 18, pelo presidente do Instituto Alouatta, Paulo Cadallora.

O case foi escolhido, a partir de uma atividade que transformou gaiolas apreendidas durante as operações da Polícia Ambiental contra a caça ilegal de aves em luminárias, comedouros, jardins suspensos e outros objetos decorativos.

Como tudo começou

Em julho do ano passado os representantes do Instituto Alouatta e do Grupo Escoteiro Leão Baio de Treviso junto com a Polícia Ambiental, participaram de uma soltura de aves em Siderópolis. A chefe dos escoteiros Leão Balaio, Rosilene Koch, informou que a intenção seria de destruir as gaiolas, mas segundo ela, os policias informaram que isto não seria possível.

“Para nós foi uma surpresa. Os policiais nos explicaram que as gaiolas são objetos de crime, visto que as aves são fruto da caça ilegal de animais silvestres. Desta forma as gaiolas voltam ao pátio da ambiental e aguardam por um longo tempo autorização para serem incineradas”, conta Rosilene sobre o que informaram os policiais.

Diante disto surgiu uma outra ideia. Que tal transformar os objetos e utilizar como material decorativo? Algumas reuniões foram realizadas para amadurecer o tema até que foi firmada uma parceria com a Polícia Ambiental de Maracajá que disponibilizou ao grupo 80 gaiolas. “A exigência da Polícia Ambiental foi de que as mesmas fossem descaracterizadas para nunca mais aprisionar uma ave ou animal”, destaca Rosilene.

Missão: decorar

O grupo contou com ajuda da artesã do Ateliê Maria Lamparina, Larissa Maciel para a customização. Todos os materiais utilizados para a decoração foram patrocinados pelo Instituto Alouatta de Treviso. Depois de todas prontas foram expostas na praça do município de Treviso e posteriormente doadas para estabelecimentos comerciais onde estão em exposição.

Após isso o case já participou de diversos eventos da área: Festival das Flores (Joinville), Festival do Papagaio Charão (Santa Rosa de Lima), Festival das Aves Migratórias em Tavares. Além disso, conquistou a insígnia Mundial Mensageiros da Paz dos Escoteiros, e foi um dos oito projetos selecionados como case de sucesso da União Escoteira do Brasil em Santa Catarina.

“Cadastramos nosso projeto para fazer parte da Avistar Brasil e recebemos a confirmação que nossa palestra foi aprovada”, finaliza Rosilene, satisfeita pelo reconhecimento.

Idealizador e parcerias

O projeto foi idealizado pelo Instituto Alouatta e Grupo Escoteiro Leão Baio e contou com o apoio da Polícia Militar Ambiental, IMA Instituto do Meio Ambiente, OBA Clube de Observadores de Aves. Maria Lamparina e Funtrev.

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.