Sete cuidados para se ter na rotina de trabalho para evitar o esgotamento físico e mental

Cobrança por produtividade na pandemia pode levar à Síndrome de Burnout

Cansaço físico e mental, sensação de improdutividade e dificuldade na realização de atividades criativas são alguns dos sintomas que caracterizam a Síndrome de Burnout. A síndrome é o esgotamento profissional decorrente de excesso de carga horária, cobranças e demandas acima do previsto para a realização de determinada tarefa. Outros fatores que podem contribuir para esse quadro são a ausência de intervalos e períodos de descanso, assédio moral, falta de reconhecimento ou de feedbacks. O Burnout tem se intensificado durante a pandemia, por conta do isolamento social, pela perda de limite de carga horária e pelas múltiplas tarefas que acabam se sobrepondo umas nas outras: tarefas do lar, acompanhar as atividades dos filhos em casa, lidar com os inconvenientes de não se ter um local de trabalho adequado, entre outros.

Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui.

A médica psiquiatra Caroline Kanegusuku, da Associação Catarinense de Psiquiatria (ACP), destaca que o Brasil é o país no mundo com mais casos de esgotamento profissional. “De acordo com Associação Internacional de Manejo do Stress, estima-se que o Brasil é o segundo país com o maior número de pessoas afetadas pela Síndrome de Burnout, em torno de 44% da população. Muitos trabalhadores tiveram que se adaptar ao home office e, com isso, veio o desafio de conciliar vida pessoal e profissional em um só lugar, acarretando em sobrecarga por aumento de horas trabalhadas e por redução de equipe de trabalho. O medo da demissão tem levado a cobrança por concentração e produtividade”, relata a psiquiatra.

Vale lembrar, também, os casos de profissionais de saúde que atuam na linha de frente e demais profissionais de serviços essenciais que estão cada vez mais sobrecarregados pelo estresse e cansaço, além do medo constante de contágio pela Covid-19. Por isso, a ACP alerta para que as pessoas se atentem aos sintomas e busquem ajuda profissional caso necessário.

“Este cenário crítico pode desencadear exaustão emocional, distanciamento das relações interpessoais e diminuição do sentimento de realização profissional, ou seja, a Síndrome de Burnout. Esta síndrome está associada a desfechos negativos como: depressão, ansiedade e doença coronariana”, destaca a especialista.

Médica psiquiatra, Caroline Kanegusuku – Foto: Divulgação

Sete cuidados para se ter na rotina de trabalho e evitar o esgotamento físico e mental:

1) Estabelecer limites claros entre “trabalho” e “casa” – locais e objetos destinados apenas para finalidades profissionais. Isso ajudará a se desconectar psicologicamente do trabalho no final do dia e entrar novamente no ambiente doméstico para descansar.

2) Estabelecer horários fixos para atender demandas de trabalho.

3) Fazer pequenas pausas para distração, alongamentos ou práticas de meditação

4) Delegar responsabilidades e tarefas sempre que possível

5) Ficar atento aos limites do seu corpo e trocar experiências com os colegas de trabalho

6) Hidratar-se e alimentar-se bem

7)  Reconhecer as vantagens do Home office – ao invés de perder horas no deslocamento, é possível destinar este tempo para passar mais tempo com a família ou uma prática de autocuidado

 

Sobre a ACP

A Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) é uma entidade científica sem fins lucrativos dos psiquiatras do Estado de Santa Catarina. Filiada à , a ACP foi fundada em 1965. Desde então, dirige suas ações para o aprimoramento científico e técnico de seus associados, para o desenvolvimento da área médica da Psiquiatria, divulgando e esclarecendo a comunidade leiga sobre temas ligados à saúde mental.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo. Inscreva-se agora!

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.