Presidente do Criciúma recebe documento da CBF que confirma erro em marcação de pênalti na partida contra o Fluminense

Na tarde desta sexta-feira, 30, o presidente do Criciúma, Anselmo Freitas e o presidente da Federação Catarinense de Futebol (FCF), Rubens Angelotti participaram de duas reuniões na sede Confederação Brasileira de Futebol (CBF) com o Coronel Nunes, presidente interino da entidade.

A primeira reunião teve como pauta assuntos relacionados a criação de clube empresa e a novas legislações como o Programa de Modernização da Gestão e Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro (Profut). Ao final deste encontro, o dirigente seguiu para o prédio ao lado, onde fica a comissão de arbitragem, e lá foi recebido por Leonardo Gaciba, presidente da Comissão Nacional de Arbitragem da CBF.

Em uma nova reunião, em que foi tratado sobre o polêmico lance entre o volante carvoeiro Dudu Vieira e o zagueiro do time carioca Luccas Claro, que ocasionou a marcação de uma penalidade máxima para o adversário do Tigre, na partida de ida contra o Fluminense pelas oitavas de final da Copa do Brasil, na noite da última terça-feira, 17, a comissão de arbitragem não emite nenhum parecer quanto as decisões dentro dos jogos, segundo Freitas.

Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui.

Freitas teve acesso ao vídeo e áudio dos árbitros do assistente de vídeo (VAR) que atuaram na partida, com as imagens e o vídeo ficou claro que o árbitro principal Caio Max Augusto Vieira não foi chamado pelos assistentes do VAR.

O presidente do Tigre informou, que ao final dos compromissos na CBF, recebeu da Ouvidoria da entidade um documento que declara que a marcação da infração na partida foi equivocada. “Esse documento é interno do clube, será guardado, mas não provoca nenhum tipo de mudança no resultado da partida” afirmou Freitas.

Leia mais: 

Copa do Brasil: Tigre busca segurar vantagem no Maracanã e garantir classificação para as quartas de final

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.