Equipe médica do Hospital São José realiza cirurgia rara para tratamento de tumor

Procedimento que foi realizado em um paciente de 37 anos, ocorreu pela terceira vez na instituição

Um paciente de 37 anos, que há cerca de um ano descobriu um câncer de intestino, passou por uma cirurgia extremamente rara no Hospital São José de Criciúma. Ao descobrir o câncer no intestino grosso, o paciente precisou de uma cirurgia de urgência para desobstruir o trânsito intestinal e, nos meses seguintes, passou por quimioterapia e uma segunda cirurgia para retirada definitiva do tumor do intestino.

Mesmo com a quimioterapia, um ano após o diagnóstico, foram encontradas diversas metástases desse câncer no fígado do paciente. “O paciente apresentava diversas metástases em seis dos oito segmentos em que o fígado é dividido. Cerca de 75% do órgão estava acometido. Caso retirássemos toda parte afetada, o paciente sofreria uma insuficiência hepática pós-operatória e poderia não sobreviver”, relata o cirurgião hepatobiliopancreático do HSJosé, o médico Fabrício Souza Bitencourt.

Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui.

De acordo com o cirurgião, neste caso específico do paciente, as opções ficaram tecnicamente restritas. “Precisávamos fazer os segmentos VI e VII do fígado crescer para que então pudéssemos retirar os demais segmentos com segurança. Indicamos então a realização de um procedimento chamado ALPPS (Associating Liver Partition and Portal vein Ligation for Staged hepatectomy), em que realizamos duas cirurgias no paciente: na primeira, partimos o fígado separando a parte saudável da parte com metástases, sem retirar nada, e, com um fio cirúrgico, amarramos a veia que nutre o lado do fígado acometido pelo tumor, chamada de veia porta esquerda”, explica o cirurgião. “A cirurgia então é encerrada e o paciente fica internado por dez dias. Nesse período, o lado saudável do fígado cresce, porque recebe o dobro de sangue, já que amarramos a veia que nutria o outro lado”, informa.

“Dez dias depois da primeira cirurgia, levamos o paciente de volta ao centro cirúrgico e aí sim retiramos o lado do fígado que continha as lesões. Nessa segunda cirurgia, evidenciamos que os segmentos VI e VII do fígado cresceram consideravelmente, permitindo então o que chamamos de trissegmentectomia hepática esquerda, sem que o paciente sofresse de insuficiência hepática no pós-operatório”, complementa o médico residente que acompanhou o caso, Felipe Antônio Cacciatori.

Segundo o chefe do serviço de cirurgia geral do HSJosé, dr. Nehad Yusuf Nimer, poucos foram os registros desta cirurgia em todo o mundo. “A cirurgia de ALPPS surgiu há menos de dez anos na Alemanha e os registros internacionais dão conta de cerca de 1 mil cirurgias realizadas desde então ao redor do mundo. Essa foi a terceira vez que nossa equipe realizou este procedimento”, enaltece o cirurgião.

Após mais de um mês da cirurgia, o paciente está de alta e segue em tratamento clínico na Unidade de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon) do HSJosé.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo. Inscreva-se agora!

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.