Anúncio

Procedimento inédito para tratamento da doença de Parkinson é realizado na região

Após 20 anos sofrendo com um problema que já trazia inúmeras limitações a sua vida, Ranuzia Silveira da Silva, 63 anos – que sofria com a doença de Parkinson – em breve poderá ter uma vida melhor. Tudo por conta de um procedimento realizado pelos neurocirurgiões Luiz Lavradas e Wagnner Levati, que realizaram a implantação de eletrodos para Estimulação Cerebral profunda na paciente.

Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui

Anúncio

“A cirurgia para tratamento da doença Parkinson consiste na aplicação de eletrodos no cérebro para o controle das regiões que ocasionam os tremores. A cirurgia funcional é uma das especialidades que mais cresce na neurocirurgia, por se tratar de procedimentos que restabelecem a função de sistemas neurais. Isso repercute diretamente na melhora da função global do indivíduo, aliando-se às reabilitações a as medicações. E, no caso desta paciente, o procedimento foi um sucesso”, comenta Lavradas.

Este foi o primeiro implante desta natureza, realizado no Hospital São José, de Criciúma, para tratamento da doença. Para o caso de Ranuzia, especificamente, segundo os especialistas, todas as alternativas com terapias medicamentosas já tinham sido utilizadas; o que também trazia muitos efeitos colaterais pelo excesso do uso de medicações, interferindo assim na qualidade de vida; além dos tremores e rigidez que a paciente apresentava. “Antes da cirurgia, ela tomava medicação para o tratamento. O efeito da medicação estava durando apenas 30 minutos. Este era o tempo que tínhamos para que ela se alimentasse, tomasse banho, trocasse de roupa. Era muito difícil mesmo”, comenta o filho, Alexandre Silveira.


Ainda segundo Alexandre, a mãe procurava um lugar para ser tratada há muito tempo, mas, devido aos custos, não conseguiam esta possibilidade. Após a indicação do trabalho desenvolvido pelos neurocirurgiões, e vendo a possibilidade de atendimento por meio do Plano Saúde São José, a família viu que haveria então, a alternativa de tratamento na própria cidade.

“Ficamos muito felizes em poder ajudar.
O resultado positivo da paciente, já conseguimos ver no intraoperatório. O sistema que introduzimos, teve uma eficácia significativa e quase zerou o tremor bem como a rigidez; pode-se dizer que reduziu em 80%. O resultado já é excelente e ainda temos etapas do tratamento para  cumprir”, enfatiza o especialista. Dona Ranuzia já recebeu alta Unidade de Terapia Intensiva-UTI, e em breve poderá ir para casa.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo. Inscreva-se agora!

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.