Acélio pede apoio financeiro para Rodrigo Barros

Recursos para a saúde catarinense foram o tema de reunião no Ministério da Saúde, em Brasília. O secretário do Estado da Saúde, Acélio Casagrande, oficialmente empossado na pasta na segunda-feira, 22, esteve com o ministro Rodrigo Barros, um dia após assumir. Entre os pleitos despachados na capital federal estiveram verbas aos hospitais catarinenses, além da distribuição da frota de ambulâncias já programadas para 32 municípios e a solicitação de investimentos em campanhas de prevenção contra o mosquito Aedes aegypti.

”Expusemos os nossos problemas e pedimos apoio financeiro ao ministro. Junto com o Governo Federal e a parceria entre os municípios e o Estado poderemos vencer aos desafios da saúde”, destaca Casagrande. Para o Hospital Regional do Oeste, de Chapecó; bem como para o Hospital Geral Madre Tereza de Ramos, de Lages; solicitou-se revisão do teto financeiro no serviço de radioterapia, ambos no valor de R$ 1.776.765,33.

Com o aumento no número de focos do mosquito Aedes aegypti, foi articulado recursos para campanhas de prevenção a proliferação do inseto. No último ano, em Santa Catarina, houve um aumento de 65,1% dos casos em comparação com 2016. Foram registrados 11.567 focos do mosquito em 144 cidades, dos quais 63 foram considerados infestados. Em 2018, somente nas três primeiras semanas do ano, foram identificados 1.087 focos do Aedes aegypti, representando um aumento de 17,1% em comparação com 2017. A secretária de Articulação Nacional, Lourdes Coradi, também esteve presente na agenda desta terça-feira.

Aporte de R$ 14 milhões na Atenção Básica

Casagrande aproveitou para participar da coletiva de imprensa do Ministério da Saúde que divulgou o financiamento da abertura de 250 mil vagas para qualificação de agentes comunitários de saúde (ACS) e de combate à endemia (ACE) como técnicos em enfermagem em todo o Brasil.

A Atenção Básica, principal porta de entrada para o Sistema Único de Saúde (SUS), está ganhando novo reforço para ampliação dos serviços à população em todo o Brasil, com a liberação de R$ 547,3 milhões. Deste total, R$ 311,3 milhões serão incorporados no Piso de Atenção Básica Fixo (PAB Fixo) com base na atualização da população dos municípios, segundo cálculos do IBGE. A partir de 2018, com este novo incremento, o recurso passará a ser de R$ 5,1 bilhões.

De acordo com o secretário da Saúde, Santa Catarina receberá R$ 14,9 milhões, o quinto maior investimento no Brasil. Um dos objetivos do Ministério da Saúde com a formação desses profissionais é ampliar o acompanhamento da saúde da população no atendimento que é feito nos domicílios e nas comunidades, reduzindo agravos.

Foco na regionalização

O novo secretário da Saúde terá como foco na sua gestão a regionalização da saúde, retirando as ambulâncias das estradas, além organizar os serviços em cada região e vocacionar os hospitais. Para isso um plano emergencial com critérios rígidos daquilo que os hospitais e os municípios podem oferecer será realizado.

A prevenção terá destaque e a telemedicina também receberá tratamento especial. Isso fará com que as pessoas consigam ser atendidas nas suas regiões e o médico consiga ter um parecer rápido pelo especialista. “Temos um grande desafio e trabalho pela frente, mas com a certeza que melhoraremos a saúde do povo catarinense”, considera.

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.