MPF arquiva inquérito contra Carlos Moisés no caso dos respiradores

Com a recusa, investigação voltará a tramitar na Vara Criminal da Região Metropolitana de Florianópolis, sob comando do MPSC

Subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo solicitou nessa terça-feira, dia 13, o arquivamento da investigação contra o governador Carlos Moisés da Silva no caso da compra de 200 respiradores com pagamento antecipado de R$ 33 milhões em 2020. O processo, instaurado no Superior Tribunal de Justiça (STJ), para investigar possível ação ou omissão do governador, tramitava em Brasília, sob comando do Ministério Público Federal (MPF). Com a recusa do MPF, a investigação voltará a tramitar na Vara Criminal da Região Metropolitana de Florianópolis, sob comando do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC).

Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui.

Nos argumentos, a subprocuradora-geral afirma que as provas coletadas pela investigação não mostram um envolvimento claro do governador afastado na compra dos respiradores da empresa Veigamed.

“A suspeita de que o governador Carlos Moisés da Silva pudesse ter determinado intencionalmente o pagamento antecipado dos respiradores sem a exigência de garantias é enfraquecida pelo fato de que houve consulta do governo ao Tribunal de Contas do Estado acerca da viabilidade jurídica do pagamento antecipado. Além disso, chegou a ser enviado à Assembleia Legislativa projeto de lei assinado pelo governador a esse respeito, embora a proposta tenha sido retirada de tramitação posteriormente sob a alegação de falta de discussão interna prévia”.

Para a representante da Procuradoria-Geral da República (PGR), “não seria de se esperar que o governador, com a intenção de praticar ou determinar a prática de fraude na compra de ventiladores pulmonares, solicitasse a participação do Tribunal de Contas, do Ministério Público e do Procon nos procedimentos como medida preventiva, inclusive criando um grupo de Whatsapp, fato demonstrado nos presentes autos”.

Ao requerer ao ministro Dantas Ribeiro a promoção do arquivamento do inquérito, a subprocuradora da República também defende a devolução ao governador de todos os materiais apreendidos em operação de busca e apreensão promovida pela Polícia Federal (PF) na Casa da Agronômica, residência oficial do governo do estado.

Além da PGR, todos os demais órgãos de controle que instauraram procedimentos para investigar o possível envolvimento do governador, direta ou indiretamente, por ação ou omissão, nas esferas penal e administrativa, concluíram pelo arquivamento ante a ausência de indícios mínimos de envolvimento do chefe do executivo.

Para a PF, o Ministério Público do Estado, o TCE-SC e a Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), não há comprovação de qualquer ato ilícito por parte de Carlos Moisés. Durante as investigações, os sigilos fiscal e bancário do governador e de familiares chegou a ser quebrado, mas nada de irregular foi identificado.

Atualmente, Carlos Moisés se encontra afastado em razão do recebimento de denúncia por suposto crime de responsabilidade no caso.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo. Inscreva-se agora!

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.