MPSC recomenda que Laguna faça licitação para contratação de balsa para travessia de canal

Promotoria também aponta a necessidade de levantamento do movimento de usuários na alta e baixa temporada

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) recomendou ao Município de Laguna a realização de licitação para contratação de empresa para prestação de serviço de transporte aquaviário. Conforme o MP, a empresa que presta o serviço de travessia do Canal da Barra é contratada de forma precária pelo menos desde 2013, sem que haja licitação da concessão pública.

A recomendação da 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Laguna também aponta a necessidade de levantamento do movimento de usuários na alta e baixa temporada e que a comunidade seja ouvida antes do estabelecimento do valor da tarifa, que deve ser apresentado e discutido em audiência pública.

Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui

“O transporte aquaviário do Canal da Barra é de extrema importância para a população local, já que é única forma de travessia para veículos dentro do Município de Laguna. A contratação precária por anos representa prejuízo nítido aos munícipes que dependem de um serviço eficiente com o pagamento de adequada tarifa”, considera a promotora de Justiça Raíza Alves Rezende.

Segundo ela, a inércia ao longo de anos também pode constituir ato de improbidade administrativa que causa prejuízo ao erário e que viola princípios administrativos, por frustrar a licitude de processo licitatório, ou mesmo por dispensá-lo indevidamente, violando a impessoalidade, a transparência, a eficiência e a legalidade.

Na última resposta apresentada pelo Município ao Ministério Público no inquérito civil que apura os fatos, a atual gestão municipal, ao tomar ciência da ilegalidade, informou que será construída uma ponte no canal pelo governo estadual, o que dispensaria futuramente a existência do serviço de transporte.

“Ocorre que se verificou que inexiste previsão específica do início das obras ou mesmo do tempo que levará a construção e posterior começo do funcionamento, o que causa dano aos cofres públicos, pois não houve competição para manter a empresa que atualmente presta o serviço, sem se questionar uma possível proposta mais vantajosa”, completa Alves Rezende.

A recomendação dá prazo de 90 dias para o estabelecimento de um cronograma de todo o processo de licitação, cujo o lançamento de edital deve ser efetivado em até um ano. O Município deve responder em até cinco dias úteis se acata ou não a recomendação do Ministério Público.

De acordo com a Promotora de Justiça, caso não atenda à recomendação, o Município de Laguna fica sujeito ao ajuizamento imediato de ação civil pública com obrigação de fazer, além da possível responsabilização dos envolvidos por ato de improbidade administrativa.

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.