Marinha diz que navio grego é o principal entre 30 suspeitos por óleo no Nordeste

A Marinha brasileira afirmou, neste sábado, 02, que o navio grego investigado pela Polícia Federal é o principal suspeito, entre 30 embarcações, de ter derramado óleo e causado as manchas no litoral do Nordeste. O órgão reforçou que os trabalhos para esclarecer o desastre continuam.

Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui

Em nota ao G1, a Marinha não mencionou como o relatório da empresa HEX Tecnologias Especiais, que colocou o petroleiro grego na mira das investigações, dialoga com os esforços já realizados anteriormente por instituições e pesquisadores brasileiros.

Investigações da PF

Segundo a Polícia Federal, o petroleiro grego se chama Bouboulina e foi carregado com 1 milhão de barris do petróleo tipo Merey 16 cru no Porto de José, na Venezuela, no dia 15 de julho. Zarpou no dia 18, com destino à Malásia.

A embarcação é alvo da Operação Mácula, desencadeada pela PF na última sexta-feira (1º). Ela foi apontada como suspeita com base em um relatório produzido pela HEX Tecnologias Especiais, que afirma ter realizado a análise de dados de satélite para localizar as manchas. Segundo a empresa, para chegar ao resultado, foi feito um cruzamento com softwares de monitoramento de navios.

O apontamento deste navio suspeito vai contra duas tendências anteriormente apontadas pela Marinha e pelo Ibama nas investigações:

  • a mancha teria sido localizada pela HEX Tecnologias Especiais com imagens de satélite, mas o Ibama já havia descartado essa possibilidade em estudos próprios, de agências espaciais e de universidades;
  • as datas da passagem do navio pela costa e o fato de ele não estar operando como um “navio-fantasma” também divergem das hipóteses levantadas pelos órgãos brasileiros (veja abaixo a cronologia da investigação).

Depois de sair da Venezuela e trafegar sempre com seu sistema de localização ativo, o navio Bouboulina passou a oeste da Paraíba em 28 de julho. As investigações do governo brasileiro apontam que a primeira mancha no oceano foi registrada em 29 de julho, a 733 km da costa da Paraíba. As primeiras praias do país afetadas foram no município paraibano de Conde em 30 de agosto. Mais informações clique aqui.

Cronologia das investigações

30 de agosto – primeiras manchas – Surgem as primeiras manchas em praias na Paraíba.

2 de outubro – PF abre inquérito – A Polícia Federal do Rio Grande do Norte abre inquérito para investigar a origem das manchas de óleo encontradas em várias praias do Nordeste.

5 de outubro – Bolsonaro pede investigações – Jair Bolsonaro pede investigações sobre as manchas e envolve PF, Defesa, Ibama e o ICMBio.

10 de outubro – 30 navios suspeitos – A Marinha diz que vai notificar 30 navios-tanque de 10 diferentes bandeiras a prestarem esclarecimentos na investigação. Análise da UFBA aponta que óleo que atinge litoral do NE é produzido na Venezuela.

14 de outubro – barris suspeitos – Após barris da Shell serem encontrados em praias do Nordeste, a empresa nega que tenha envolvimento no surgimento das manchas de óleo.

17 de outubro – Modelos matemáticos – Marinha encontra barris da Shell flutuando no oceano e coleta material para análise. Com base em modelos matemáticos que consideraram o surgimento das manchas e a dinâmica das correntezas, pesquisadores da UFRJ apontaram que a provável origem das manchas surgiu a 700 km da costa da Paraíba.

22 de outubro – Navios-fantasma no alvo – O comandante da Marinha, almirante Ilques Barbosa Júnior, diz que a investigação estava centrada em ‘dark ships’, navios que desligam o sistema de rastreamento. No mesmo dia, ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, disse que as investigações buscavam navios que circularam entre 25 de agosto e 3 de setembro na costa brasileira.

30 de outubro – Manchas suspeitas descartadas – Duas pesquisas, uma da UFRJ e outra da UFAL, apontaram a suspeita de uma mancha de 200 km² flutuando a 50 km da costa da Bahia. Para o pesquisador Humberto Barbosa, da UFAL, a mancha poderia ter origem em um vazamento do pré-sal. A hipótese foi descartada pela Marinha, Ibama e Petrobras.

 

Fonte: Portal de Notícias G1

#meio ambiente, Nordeste, Óleo no mar