Centro de Reabilitação Pós-Covid deve atender regionalmente

Estrutura em Criciúma pode atender até 200 pessoas

Prefeitos da Associação dos Municípios da Região Carbonífera (Amrec) debatem a possibilidade da regionalização do Centro de Reabilitação Cardiopulmonar Pós-Covid de Criciúma, instalado na antiga casa de saúde do Rio Maina. O assunto foi levantado na primeira reunião ordinária do mês de fevereiro, realizada na sede da instituição.

Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui.

Os prefeitos deliberam que o valor pago será por demanda, conforme o atendimento, o que deve custar o valor R$ 1.100,00/mensal, por paciente. Segundo o secretário Acélio Casagrande, que esteve na reunião apresentando a proposta, o atendimento semanal depende da situação do paciente, o que pode variar de dois a três atendimentos por semana. Os pagamentos devem ser feitos via Consórcio Intermunicipal de Saúde da Amrec (Cisamrec), o que pode habilitar o atendimento não só para os 12 municípios da AMREC, mas também os 15 da AMESC, que hoje também são consorciados.

Hoje a estrutura pode atender até 200 pessoas e no futuro pós pandemia, poderá atender pacientes com problemas cardíacos e pulmonares. O prefeito Clesio Salvaro disse aos prefeitos que o local foi montado com recursos da Covid-19, para atender uma necessidade para dar qualidade de vida aos pacientes que contraíram coronavírus, e tiveram sequelas mais graves. A intenção é gerar série histórica, podendo, no futuro, credenciar o serviço junto ao Ministério de Saúde, para receber recursos do Sistema Único de Saúde (SUS).

O assunto foi aprovado por unanimidade pelos prefeitos, e agora segue para os setores jurídicos da Amrec e do Cisamrec para credenciamento e pagamento por atendimento, conforme a demanda dos municípios.

Sisbi 

A reunião ainda teve na pauta a atualização da situação do projeto Consim. A médica veterinária do Consórcio Intermunicipal Multifinalitario (Cim-Amrec), Maria de Freitas Marques, garantiu aos prefeitos que os auditores do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) devem realizar essa semana a terceira auditoria do projeto em cinco agroindústrias da região.

O projeto é uma capacitação oferecida pelo MAPA aos municípios, via Cim-Amrec, o que deixa os municípios muito próximo do selo Sistema Brasileiro de Inspeção (Sisbi), que poderá ser solicitado ainda no primeiro semestre de 2021. O selo dá o direito às agroindústrias da região e que trabalham com produtos de origem animal, possam comercializar seus produtos em todo o território nacional. O projeto ainda vai resultar na aquisição de um carro e mais 12 computadores, um para cada Serviço de Inspeção Municipal.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo. Inscreva-se agora!

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.