Você pode contribuir para melhorar a qualidade de vida em Senegal

Entrar em uma Universidade e trazer soluções para o seu país era o principal objetivo do aluno Mouhamadou Moustapha Seck, que veio de Senegal para Santa Catarina para cursar Administração na Unesc. E foi ao apresentar o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), por meio da análise de relações comerciais entre Brasil e Senegal, que o aluno viu a oportunidade de solucionar o problema de consumo de arroz em seu país de origem. A iniciativa tem o intuito de promover a transferência de tecnologia de cultivo para fortalecer os resultados atuais na rizicultura Senegalesa.

A proposta está concorrendo a um concurso internacional da Nestlé, o Prêmio de Criação de Valor Compartilhado. A ação é uma busca global por inovações líderes focadas na criação de valor compartilhado, alto impacto e mudanças duradouras nas comunidades. A votação é online, e ocorre até 30 de novembro. Moustapha está concorrendo com cerca de mil projetos, e está entre os primeiros. A pontuação se desenvolve por meio da avaliação, comentários, curtidas e compartilhamentos.

O concurso ocorre em parceria com a Ashoka, a principal rede mundial de empreendedores sociais em mudança de sistemas, para buscar, apoiar e acelerar soluções que abordem os maiores problemas em água, nutrição e desenvolvimento rural.

Economia Solidária

Em Senegal, as condições climáticas e o quantitativo de terras semelhante ao Brasil. Segundo Seck, o país já predispõe de uma estrutura para o cultivo, porém precária, não suprindo a necessidade da população. “Mas suas terras utilizadas e agricultáveis são propícias para este cultivo. A força de trabalho já está instalada, o que facilita o processo, porém trabalha de forma rudimentar. A ideia é capacitar estes agricultores nos moldes da economia solidária. Para tal situação, além da transferência de tecnologia de cultivo, se propõe um incentivo por meio de agentes econômicos nos moldes de microcréditos rurais com juros subsidiados para o custeio da safra e aquisição de maquinários”, comentou Seck, que atualmente faz MBA em Finanças e Controladoria na Unesc.

Seck trabalhou lado a lado com o professor Tiago Colombo, durante a construção de seu projeto. Segundo ele a iniciativa é inovadora. “Moustapha procurou contato com seu país, dizendo que aqui se tem estas condições, e também os representantes de nosso Estado para que pudessem juntos realizar um programa de transferência de tecnologia. Ele foi bem recebido em ambos os lados e o projeto flui com auxílio do governo catarinense, que prepara uma missão internacional para conhecer a realidade Africana”, ressaltou Colombo.

A ideia de Seck é levar o projeto além, beneficiando não só Senegal, mas também outros países. “A valorização destes indivíduos com o apoio governamental e universitário tende a se tornar um projeto expansível a outras áreas do mundo. Os agricultores serão capacitados e libertados por meio da economia solidária que lhes garante força para transformar o setor no qual se encontram”, contou.

Ajude o projeto

Para participar da votação e dar suporte ao projeto, basta entrar no link (clique aqui) e dar a sua contribuição. A votação ocorre até o dia 30 de novembro, faça parte! https://network. changemakers.com/challenge/creatingsharedvalue/community-review/autossuficiencia-em-arroz

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.