Unesc e Construtora juntas pela inovação

A Unesc e a Construtora Locks premiaram a inovação nas áreas das Ciências, Engenharias e Tecnologias. O Prêmio Inova Unesc/Construtora Locks 2017 contemplou dois projetos desenvolvidos por acadêmicos da Universidade, que receberam o reconhecimento de sua ideia na quarta-feira,13.

A iniciativa, idealizada ainda em 2016, propôs aos alunos desenvolverem pesquisas e projetos com a temática “O emprego de resíduo sólido proveniente do processo de beneficiamento de pedra basalto”. A atividade foi realizada em três fases: a inscrição, a apresentação e a seleção dos trabalhos.

O pró-reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Unesc, Oscar Montedo, destacou o empenho apresentado pelos alunos. “É uma grande felicidade ver a participação e a capacidade dos nossos acadêmicos. Eles e os professores estão de parabéns, mostraram o potencial do estudante Unesc”, afirmou.

Na primeira etapa do projeto foram apresentadas 14 ideias. Destas, cinco chegaram ao fim. Os trabalhos “Basalt-ferti: a energia das rochas vulcânicas transformadas no melhor composto para sua plantação” e “O reaproveitamento do basalto em confecção de blocos cerâmicos” foram os vencedores. Os outros três finalistas receberem certificados de mérito.

Segundo um dos representantes da Construtora Locks, Moacir Menezes, o resultado do projeto superou as expectativas. “Temos uma cultura de não nos conformarmos e buscarmos a inovação. Desta vontade de criar o novo veio a ideia de uma parceria com a Unesc, e o resultado não poderia ter sido melhor, esperamos continuar”, afirmou.

Destaques

O criador do projeto vencedor, “O reaproveitamento do basalto em confecção de blocos cerâmicos”, o estudante Gabriel Ribeiro Tiscoski, destacou o sucesso em preencher os requisitos solicitados pela Locks. “Aliamos o solo com o pó de Basalto para criar um tijolo ecológico, em todos os seus processos de criação. Assim chegamos ao nosso objetivo, ficamos muito felizes em atender as expectativas”, afirmou. A equipe vencedora foi formada pelos alunos Kauana Vaz Franco Crispim, Pedro Henrique Scandolara da Silva e pela professora Elaine Guglielmi Pavei Antunes.

Um dos idealizadores do projeto “Basalt-ferti: a energia das rochas vulcânicas transformadas no melhor composto para sua plantação”, segundo colocado no Prêmio, o acadêmico Luca Silva Rieth, explicou que o objetivo foi aliar a economia e o meio ambiente. “Juntamos o pó do basalto e a matéria orgânica, gerando um produto que possa substituir a utilização de fertilizantes químicos, tanto na agricultura quanto para utilização doméstica”, comentou. Sua equipe foi formada pela acadêmica Bianca Mendes dos Santos e pela professora Nadja Zim Alexandre.

A boa resposta dos acadêmicos ao projeto foi destacada pelo diretor da UNA CET (Unidade Acadêmica das Ciências, Engenharias e Tecnologias), Evanio Nicoleit. “Desde o início tínhamos confiança de que concluiriam está atividade tão desafiadora. Foi de muita alegria ver o empenho e frutos desta ação”.

Também participaram do encontro os representantes da Construtora Rogério Zanette e Alberto Fronza.

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.