Venha curtir, um bar com a “alma carioca”, em Criciúma

Um boteco verdadeiramente raiz, onde é possível experimentar uma culinária diferente, saborear drinks e caipirinhas especialmente da casa e ainda curtir o bom e velho samba e MPB  dos bares do Rio de Janeiro. Assim é o Seu Bragança um estabelecimento descontraído, localizado na área central de Criciúma.

Com o “ar carioca”, assim definido pelos seus sócios, Wilson Nunes, Lucas Biava e Antônio da Silva, em sua decoração, quadros que lembram a Cidade Maravilhosa, e placas de ruas famosas, além do calçadão de Ipanema. Tudo envolve samba, futebol e boêmia. Além de cartões postais da década de 50 até almanaques do Zé Carioca da década de 40, ano em que o personagem foi criado por Walt Disney.

Com um estilo de público com idades variadas, o bar está ganhando a simpatia e aprovação dos criciumenses e região. O treinador Brenno Basso, frequentador assíduo confirma a temática do local. “Gosto muito das características preservadas, aquele copo americano para beber cerveja ou o caldinho de feijão servido em caneca de alumínio. Tudo diferente do convencional. É possível ficar no balcão assistindo futebol na TV. Único conselho que dou é que dependendo do dia tem que chegar cedo, porque tem fila”, fala entre sorrisos.

“Queremos causar a impressão de que a pessoa está no Rio de Janeiro. A comida é boa e a cerveja está sempre no ponto”, garante Wilson Nunes. Paulista e  fã da boêmia, no tempo em que era frequentador desse tipo de boteco em  sua cidade natal, revela que sentiu a falta de algo assim aqui na região. “Os bares de São Paulo e Rio são praticamente iguais, lá o pessoal sai do trabalho e vai ao encontro dos amigos. O público do Seu Bragança abraçou esse estilo, ninguém aqui está preocupado com a  roupa que você está vestido. Estão aqui para curtir, beber, conversar e dar risada”, revela o empresário.

A ideia do Seu Bragança partiu do Wilson, mas antes da inauguração muito trabalho e pesquisa foram feitos. “Viajamos para 32 bares do Brasil para saber qual seria o tema mais aceito pelo público, aqueles que tinham essa pegada de boteco raiz. Então vimos que a cidade Rio de Janeiro era a preferida neste estilo”, conta.

Sucesso imediato

E assim, o Seu Bragança inaugurou no dia 27 de setembro de 2017, e Wilson ficou surpreso com o sucesso logo de cara. “Abrimos em uma quarta-feira com um movimento legal. Na quinta e na sexta aumentou, e no sábado já tínhamos fila. O bar tem espaço para 130 lugares, mas tem dias que às 19h30 já estamos lotados”, diz orgulhoso pela aceitação do público.

Porque Seu Bragança?

“Queríamos um nome legal e que desse uma cara desses bares tradicionais. Quando começamos a pesquisa, descobrimos que Dom Pedro era muito boêmio e apaixonado pela cachaça brasileira. Todo livro de historia conta isso. Então pegamos um de seus sobrenomes, o Bragança, e para dar um ar mais pessoal colocamos o “Seu”. Igual o pessoal fala: Vamos lá no bar do Seu João, do Seu Tião. E ao que parece, esse ar pessoal vem dando certo. Segundo o empresário, a casa recebe um público bastante diversificado. “Temos pessoas de terno em uma mesa e ao lado pessoas de bermuda e chinelo. Recebemos a galera de 16 anos, que vem por causa do cardápio e os drinks sem álcool, e também os executivos que vem fazer seu happy hour, todos no mesmo ambiente. Aqui os garçons são camaradas, brincam e são descontraídos. O pessoal se sente a vontade”, destaca.

Boa comida e drinks especiais

Além da estrutura, o sucesso e o diferencial têm sido a culinária e os drinks. ” O pessoal fala muito bem da comida e da bebida. Os mais pedidos são o pastel de costela e o mercadão, que é um sanduíche de pão francês com 300 gramas de mortadela premium. Ela é diferente, trazemos de São Paulo. Além disso trouxemos outro pratos típicos do Rio, como o bolinho de feijoada”, destaca Wilson.

 

Os drinks mais pedidos são o da lâmpada e o da banheira, as pessoas postam sempre nas redes sociais porque são muito diferentes. E têm as caipirinhas especiais com nomes de letras de samba. Por exemplo, tem a Disfarça e Chora, o nome é esse porque vai pimenta nela. Todas elas tem alguma coisa a ver com a letra, pensamos na letra pra criar a caipirinha e fez muito sucesso.

No Seu Bragança é servido o verdadeiro chopp. Ele não tem colarinho, e sim um creme que mantém a bebida gelada, não deixando perder o oxigênio e nem o seu sabor. Saí uma média de dois barris por noite.

 

Gostou da dica? O bar está aberto de segunda a sexta, das 18 até 1 hora,  na Rua Tiradentes, no centro de Criciúma. “Na verdade, nosso horário depende do movimento. Nosso objetivo é criar uma marca forte”, finaliza Wilson.

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.