Troca de agência por posto bancário causa insatisfação por atendimento precário em município da região

Repasse para seus amigos utilizando os links abaixo

Os três senadores, os três deputados federais do sul e o deputado estadual eleito pelo extremo sul catarinense receberam ofícios assinados pelo prefeito Arlindo Rocha, na última segunda-feira (11), requerendo seus esforços para que Maracajá volte a ter uma agência do Banco do Brasil e não apenas um posto bancário, vinculado a agência de Meleiro, com três caixas eletrônicos de autoatendimento.

O prefeito de Maracajá pondera que com o último processo de redução de custos e enxugamento da estrutura do Banco do Brasil, Maracajá foi seriamente prejudicada e com a pandemia da covid-19 instalada no país, o atendimento ao público foi precarizado. ”Idosos, aposentados e pensionistas são os mais prejudicados, agravando os efeitos da pandemia”, define o prefeito.

Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui

Arlindo lembra que “o Banco do Brasil é a única agência bancária do município e quando da incorporação do Besc, o compromisso assumido foi o de que situações como estas seriam respeitadas e os pequenos municípios teriam mantidas as sua agência, não postos bancários e é este compromisso do Banco do Brasil com Santa Catarina e com os catarinenses, que estamos cobrando”.

Ofício com estas ponderações foram encaminhadas aos senadores Jorginho Mello, Dário Berger e Esperidião Amin, aos deputados federais Daniel Freitas, Geovânia de Sá e Ricardo Guidi e, ainda, ao deputado estadual José Milton Scheffer, requerendo empenho deles para que o compromisso do Banco do Brasil com Santa Catarina seja respeitado e cumprido integralmente em Maracajá.

O Posto Bancário do Banco do Brasil em Maracajá, nas primeiras semanas do distanciamento social determinado pelo governo do estado, beirou o caos, segundo o prefeito maracajaaense. “Nem mesmo as mínimas condições de higiene haviam na sala onde estão os caixas eletrônicos, muito menos álcool em gel ou apoio de empregados a aposentados, pensionistas, idosos e demais clientes”, relata.

Todos os empregados do Posto Bancário de Maracajá, por questões pessoais ou familiares, foram declarados integrantes do “grupo de risco”. O atendimento se resumia aos caixas eletrônicos, mas sem qualquer atividade de higienização do local, ou orientação para os usuários. Recentemente, por “conta e risco” assumidos por alguns empregados, o posto voltou a contar com serviços presenciais, mas precários.

Repasse para seus amigos utilizando os links abaixo

banco do brasil maracaja, Prefeitura Maracajá

Repasse para seus amigos utilizando os links abaixo
Repasse para seus amigos utilizando os links abaixo