Sem acordo, químicos entram em greve

A manhã desta terça- feira, 5 teve início com a greve dos trabalhadores das indústrias químicas da região de Criciúma. “A falta de resolutividade das negociações para renovação da convenção coletiva dos quase três mil trabalhadores das mais de 100 indústrias químicas de Criciúma e região, já evidenciada em três rodadas, determinou que a diretoria do sindicato desencadeasse a greve”, disse o presidente do Sindicato dos Químicos, Carlos de Cordes, o Dé.

Integrantes do Movimento dos Sem Teto (MST), também apoiam o movimento e acompanham de perto a mobilização da categoria.

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.