Pré-candidato de Criciúma assina compromisso para não ter privilégios como deputado

Pré-candidato a deputado federal pelo partido Novo, o advogado criciumense Luiz Baldin planeja trabalhar com uma equipe pequena tanto na campanha quanto no Congresso, caso venha a ser eleito. “A ideia é nomear no máximo 7 dos 25 secretários parlamentares que a lei permite. Esse é o número que considero ideal para fazer um bom trabalho e onerando o mínimo possível os cofres públicos”, projeta.
Ao se lançar pré-candidato pelo Novo, Baldin assinou um termo de compromisso para reduzir ao máximo possível os próprios gastos. “Um dos pilares do Novo é o combate a todo tipo de privilégios. Um político precisa ter um padrão de vida semelhante ao do cidadão que o colocou lá”, compara o advogado.
Os três deputados federais atuais eleitos por Criciúma têm entre 19 e 23 secretários parlamentares de cada. Por mês, cada parlamentar pode gastar até R$ 108 mil com salários de assessores, mas Baldin pretende economizar pelo menos metade do valor.
O termo assinado pelo pré-candidato do Novo também o impede de ter apartamento funcional ou receber auxílio-moradia.
Gastos excessivos
O pré-candidato do Novo também aponta que há muitos gastos desnecessários no dia a dia dos políticos, inclusive por parte dos deputados criciumenses. “É comum que eles aluguem carros de luxo, por exemplo, ao invés de usar os próprios ou alternativas que custem menos ao cidadão. Não se pode mais tolerar essa irresponsabilidade”, avalia Baldin.
Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.