Perspectivas econômicas para o Sul do Estado são expostas pelo Secretário da Fazenda 

Paulo Eli foi convidado a participar da reunião da diretoria da Acic

Convidado a participar da reunião de diretoria da Associação Empresarial de Criciúma (Acic) na noite de ontem, 23,  o secretário da Fazenda, Paulo Eli, abordou as perspectivas econômicas para Santa Catarina e para o Sul catarinense no pós-pandemia. Ao demonstrar a evolução financeira do Estado desde 2020, destacou as obras que são realizadas e os investimentos previstos.

Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui

“Santa Catarina está crescendo, se estruturando, tem números muito positivos na economia. Está fazendo investimentos em infraestrutura para atrair novas empresas. Nós também levamos ao secretário o questionamento do que pode vir para o Sul do Estado e discutimos assuntos como fornecimento de energia elétrica, gás natural, para que novos negócios sejam alocados na região”, expõe o presidente da Acic, Moacir Dagostin.

Ainda entraram em pauta assuntos como a extensão da Via Rápida até Balneário Rincão, bandeira defendida pelas associações empresariais da região. “Conversamos também sobre o Porto Seco, para o qual foi dado sinal verde pelo Governo do Estado para o apoio na realização das obras necessárias à conclusão do projeto”, acrescenta Dagostin.

O secretário Paulo Eli ressaltou que o Governo do Estado trabalha para que Santa Catarina seja referência em sustentabilidade, inovação, empreendedorismo, segurança, com infraestrutura e equidade social. E esse trabalho inclui também a região Sul.

“Nós temos na região empresas que estão investindo bastante, gerando empregos. A questão do carvão preocupa, assim como a distribuição da energia e do gás, mas são demandas estruturais, que estamos resolvendo. O Porto de Imbituba está trabalhando basicamente com granéis e precisamos estimular a operação de contêineres, que trará um novo elo de desenvolvimento”, avalia.

Malha ferroviária

Conforme Eli, o Governo ainda estuda ações envolvendo a malha ferroviária. “O Estado terá que investir em ferrovias também, com a iniciativa privada, em um novo modelo de negócios, mas aguarda uma definição em relação às concessões, matéria que está em tramitação no Congresso. As ferrovias são importantes para escoar a nossa produção e trazer insumos para Santa Catarina”, defende.

Mão de obra qualificada

Na avaliação do secretário, o Estado vive um momento de pleno emprego, porém, sem mão de obra qualificada para ocupar as vagas oferecidas pelas empresas. “Há 200 mil vagas abertas e faltam profissionais em vários setores, inclusive no de tecnologia. Por isso, o Estado vai promover a profissionalização no Ensino Médio, para o treinamento de pessoal”, afirma.

Recuperação

Paulo Eli lembrou os impactos à economia provocados pela crise de saúde pública em todo o país, que refletiram também em Santa Catarina, como a retração do mercado de trabalho formal e a queda na arrecadação.

Entretanto, salientou que a recuperação da arrecadação começou já em julho de 2020, quando o valor arrecadado subiu 8%, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, e o Estado fechou 2020 com saldo positivo de 2,3%.

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.