Palestra aborda tema Indústria 4.0

Uma manhã para refletir sobre os impactos, desafios e as adaptações que a Indústria 4.0 tem colocado às empresas nos últimos tempos. O SESI e SENAI Criciúma promoveram a palestra “A Indústria 4.0 e os setores portadores do futuro” nesta quinta-feira, 11, conduzida pelo mediador Celson Pantoja Lima, atuante nas áreas de inovação industrial e educacional, ecossistemas de inovação e gestão de conhecimento. Participaram do encontro profissionais de indústrias locais.

Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui

Conforme Celson, poucas empresas no Brasil estão vivendo, de fato, este cenário. Hábitos culturais e a falta de plano estratégico estão entre as principais causas. “Acredito que seja necessário criarmos uma espécie de pacto para promover alguns pilares essenciais, primeiro, a estratégia nacional, regional e/ou setorial para apoiar a marcha rumo à 4ª revolução. Segundo, capacitação da força de trabalho necessária para suportar as demandas da 4ª revolução industrial, e terceiro, a aproximação obrigatória entre os centros produtores de conhecimento (universidades e institutos de pesquisa) e a indústria”, ressalta.

A gerente executiva do SENAI e do SESI da Regional Sul, Graziela da Silva Branco, falou sobre o compromisso da FIESC com futuro do setor industrial. “Abordamos muito sobre este tema, mas sabemos que é preciso abordá-lo cada vez mais, pois é uma necessidade dentro das indústrias. Na região, atualmente, já temos empresas que estão automatizando e robotizando processos, algumas até com a consultoria do SENAI”, comenta.

Além da abordagem principal, Celson discorreu ao longo da palestra sobre os pilares tecnológicos e o cenário mundial da 4ª revolução industrial, os potenciais impactos no mundo globalizado, futuro do trabalho e das profissões, e as transformações induzidas em alguns setores industriais. Segundo ele, as empresas precisam repensar e ver o que cada região tem de vocação e alinhar aos cursos que estão conectados com a Indústria 4.0.

 

#Criciúma, #Economia