Notícias de Criciúma e Região

Mourão elogia Moisés, mas já era esperado

O eloquente general Hamilton Mourão, vice-presidente da República, rasgou elogios ao Estado de Santa Catarina e à forma como o governador Carlos Moisés, a quem chama de particular amigo, tem administrado a “entidade federativa diferenciada”, durante o discurso na palestra proferida na abertura do 18º Congresso Catarinense de Rádio e Televisão, promovido pela Acaert, nesse domingo, dia 22.

📲Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui.

Mourão reconhece a pujança catarinense, pela produtividade, capacidade de gerar empregos e disse tudo isso na presença de Moisés que estava no evento e será palestrante esta semana, pré-candidato à reeleição e hoje companheiro de partido do general que também é pré-candidato a senador pelo Rio Grande do Sul.

No sábado, dia 21, os dois participaram de um encontro do Republicanos na Capital, fizeram pose com o número da sigla (foto) e retomaram conversas que começaram em Brasília.

Mourão dá o tom de respeito que muitos conservadores catarinenses optaram por não considerar quando assumiram o discurso de que a independência de Moisés, que, na opinião deles, ousou discordar de algumas atitudes do presidente da República e vaticinaram o ato vaticinado como uma ‘‘traição’’ a Jair Bolsonaro, não uma discordância de ideias.

Aliás

Na palestra, Mourão deu opiniões que seguem a postura de Bolsonaro ao dizer que é necessário “controle ou freio das grandes empresas que atuam na internet (Google, Facebook e Twitter)”, bem como alertou que as tensões da polarização política devem diminuir, trabalhar na zona de convergência do poder para trabalhar entre os que foram colocados lá (Supremo) e os eleitos (Congresso e Executivo).

E acrescentou uma corrente que deveria ser levada em consideração pelo governo federal e até pelos estados: transformar os royalties do petróleo em um fundo para administrar os preços dos combustíveis.

Da crise

Mesmo que entenda que o Brasil é importante para que a gigante China tenha condições de alimentar seus 1,4 bilhão de habitantes, Mourão acentua que o embate entre os asiáticos e os Estados Unidos só prejudica um mundo abalado pela pandemia, com inflação em alta e que ainda tem que contar novos prejuízos com a invasão da Rússia à Ucrânia.

Ex-adido militar do Brasil, o general Mourão circulou pela Venezuela e também atuou junto a forças da ONU, em Angola, o que acrescentaram um olhar crítico sobre o mundo e sobre o próprio país, pois foi comandante na Amazonia.

Comemoração

A proposta de reajustar em 50% o valor do piso e em 20% o valor dos honorários dos advogados que fazem a defensoria dativa no Estado mas também é extensiva a peritos e outras atividades, anunciada pelo presidente do Tribunal de Justiça, desembargador João Henrique Blasi, surgiu de um convênio alinhado entre o Poder Judiciário e o Executivo, leia-se governador Carlos Moisés.

Os dois foram sensíveis a um pedido da presidente da OAB catarinense, advogada Cláudia Prudêncio, um reconhecimento à categoria no Estado.

Amin em ritmo de pré-campanha

O senador Esperidião Amin (PP) fez um longo roteiro pelo Oeste nos últimos dias e, no estúdio da Rádio Condá, de Chapecó, participou de um programa onde estava o deputado Kennedy Nunes, pré-candidato do PTB ao Senado. Kennedy já foi filiado ao Progressistas por muitos anos e chegou a concorrer à prefeitura de Joinville. Tanto Amin quanto o deputado estão nas hostes conservadoras, mas um encontro destes, mesmo que ao acaso, acende luzes amarelas na pré-campanha do senador Jorginho Mello (PL). Amin esteve com o prefeito João Rodrigues (PSD), patrocinador do apoio e empenhado na pré-campanha de Gean Loureiro (União), e visitou Planalto Alegre, São Carlos, Cunhataí, Caibi e foi à festa de 100 anos de emancipação de Mondaí, roteiro de quem mantém a pré-candidatura ao governo.

Foto: Divulgação

Por falar

Durante a semana que passou, Amin provocou pelo menos um arrepio a mais em Jorginho Mello, que tem dupla utilidade.

O pepista teve aprovado um requerimento que prorroga até dia 11de julho a CPI da Chapecoense, presidida por Jorginho, que busca a indenização das famílias das 71 vítimas fatais e dos sobreviventes do acidente.

Você também pode gostar