Fontes alternativas de água causam riscos à saúde

Diante do aparecimento de casos da Síndrome Mão, Pé e Boca, em vários alunos das escolas do município de Tubarão, situação que viralizou em aplicativos de mensagens na noite da última sexta-feira, dia 27, com orientações equivocadas sobre o consumo de água da torneira. A Tubarão Saneamento, por meio de nota oficial, esclarece suposições sobre o consumo de água.

Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui

A Concessionária, empresa responsável pela captação, tratamento e distribuição de água na Cidade Azul, orienta que o consumo de água da torneira deve ser evitado em caso de residências que fazem uso de fontes alternativas, como poço artesiano, bica d’água ou até água do morro.

A empresa garante a qualidade da água entregue aos tubaronenses, pois segue padrões rigorosos de controle, de acordo com a Portaria de Consolidação do Ministério da Saúde, que define também a quantidade mínima, a frequência em que as amostras de água devem ser coletadas e os limites permitidos.

Para atender todos aos parâmetros, a Tubarão Saneamento conta com laboratório próprio na Estação de Tratamento de Água (ETA), com equipamentos eficientes e também dispõe de monitoramento realizado por laboratório terceirizado, garantindo assim, que a água distribuída possa ser consumida sem preocupação.

Para mais informações ou em caso de dúvida, os clientes devem entrar em contato pelos telefones: 0800 648 9596 e 48 3052-7400 ou ainda no site.

Sobre fontes alternativas

No Brasil, a grande maioria dos mais de 2,5 milhões de poços artesianos é clandestina e, por conta disso, está sujeita a contaminações e problemas sanitários e ambientais. Os dados são de um estudo realizado pelo Instituto Trata Brasil em parceria com o Centro de Pesquisa de Águas Subterrâneas da Universidade de São Paulo (USP).

O relatório destaca a importância da extração das águas subterrâneas no país e as consequências da falta de regularização e de acompanhamento desses poços, que são os grandes responsáveis pela captação subterrânea. Para se ter uma ideia, o total de água extraída dos poços chega a 17.580 Mm³/ano, quantidade suficiente para abastecer toda a população brasileira durante um ano.

Ainda de acordo com o estudo, o Brasil já está entre os países que mais captam água subterrânea do mundo. Segundo dados de 2010, a Índia estava em primeiro lugar, seguido da China e dos Estados Unidos. O Brasil aparece na nona posição.

O problema está no perfil dos poços existentes no nosso país. Do total, apenas 12% são conhecidos e registrados pelos órgãos públicos. Os outros 88% são clandestinos e estão em propriedades rurais, indústrias, casas e prédios espalhados por todo o Brasil. Os seus usos são diversos e atendem tanto ambientes domésticos, quanto agropecuários e urbanos.

Além do esgotamento dos aquíferos, outro risco diretamente relacionado com a clandestinidade é a utilização de águas contaminadas. Quando o poço é regularizado, seu dono deve seguir normas de vigilância sanitária que incluem, por exemplo, a realização de análises clínicas regulares. No caso dos poços ilegais, muitas pessoas não fazem esses exames por conta do valor, que pode chegar a até R$ 3 mil. Assim, a água fica sujeita a contaminações de poluentes diversos.

Segundo a diretoria da Tubarão Saneamento, a população fica exposta aos riscos não só pelo consumo da água proveniente de poços. Outras fontes alternativas (captação de água da chuva e água de morro, por exemplo) também podem ser encontradas na região e provocam os mesmos problemas.

Segundo a Concessionária, algumas pessoas dizem que utilizam fonte alternativa somente para atividades específicas, como lavar o carro, molhar as plantas e outras tarefas domésticas, mas que o consumo, bem como a manipulação de alimentos, é feito com a água tratada. O problema é que as condições da instalação hidráulica da residência, ao receber a água tratada, em contato com outros líquidos, podem deixá-la contaminada.

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.