Escoteiros transformam prisão em arte

Os moradores e visitantes de Treviso tiveram uma experiência fantástica nesta sexta-feira (05). Uma exposição organizada pelo Grupo Escoteiro Leão Baio com apoio do Instituto Alouatta e parceria do  Instituto do Meio Ambiente e Polícia Militar Ambiental (Ima), mostra a importância dos pássaros soltos e a transformação de sua “prisão” em arte.  Intitulada “Quem Ama Deixa Voar”, a ação revelou várias outras possibilidades de se fazer algo com gaiolas, que não só a de prisão.

Foram 90 dias desde a ideia até a exposição que não por acaso é o Dia Mundial das Aves. “O objetivo desta exposição é fazer educação ambiental e conscientização para o uso das gaiolas apenas como objetivo de decoração. Os passarinhos tem que estar soltos na natureza”, destaca   a diretora presidente do GE Leão Baio, Rosilene Koch.

Segundo ela, este é um projeto continuado que nasceu em 2015, dentro do Instituto Aloahta. “Já foram realizadas  várias ações e, agora, com o Grupo de Escoteiro, Leão Baio e a Polícia Ambiental a ideia de transformar as gaiolas, frutos de apreensão, em decoração. Ficamos surpreendidos e muito felizes com a criatividade dos escoteiros na transformação. Foram tantas artes, criatividades, ideias, que a exposição ficou super linda”, destaca.

Gaiolas artes

Para acompanhar o processo criativo foi convidada a artesã Larissa Maciel (Maria Lamparina) que orientou os trabalhos e deixou o grupo dar asas a imaginação. O resultado não poderia ter sido melhor: luminárias, estantes, porta objetos, pequenos jardins e hortas e uma certeza: nesta gaiola não entra mais passarinho!

As gaiolas doadas pela Polícia Militar Ambiental passaram por um processo bem criterioso: primeiramente são limpas, depois descaracterizadas e por último vão às mãos das crianças para receber tinta, laços, flores e adornos, transformando o que era uma prisão em um belíssimo objeto de decoração.

“Cada peça tem uma história triste e nas mãos das crianças e adolescentes ganha cor e a certeza que estamos contribuindo para um mundo melhor com a formação de cidadãos mais conscientes,” finaliza Koch.

Pássaros soltos

Quando uma ave silvestre é retirada de seu habitat, por meio da caça ilegal, um ciclo se quebra e problemas são gerados: filhotes que morrem nos seus ninhos, desequilíbrio da fauna, doenças levadas para dentro das casas e lá na ponta, estão as provas do crime: centenas de gaiolas, frutos de apreensão, que não podem ser simplesmente destruídas, às vezes aguardam por meses para terem um destino viável.

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.