Dia da Luta Antimanicomial será marcado por caminhada em Criciúma

A Secretaria de Saúde, por meio da coordenação da Saúde Mental de Criciúma, promove nesta sexta-feira, a 1ª Caminhada Criciumense da Luta Antimanicomial. O ato visa defender o cuidado em liberdade de pessoas portadoras de transtornos mentais.

A saída está marcada para às 9h do Centro de Assistência Psicossocial (Caps) III, na rua Almirante Barroso, nº 947, bairro Michel. O ponto de chegada é a Praça Nereu Ramos, onde será realizado um piquenique coletivo. A organização pede que os participantes levem lanche, bandeiras e cartazes alusivos ao cuidado em liberdade.

Segundo a coordenadora da Saúde Mental, Ana Regina da Silva Losso, todos os anos os Caps se mobilizam de alguma forma para sensibilizar a sociedade de que o verdadeiro cuidado se dá no convívio com as demais pessoas.

“É uma luta que vem acontecendo há muitos anos no Brasil em função dos maus tratos e da má assistência prestada nos manicômios. Os familiares, funcionários dos hospitais psiquiátricos fizeram um movimento de luta contra esse comportamento, foi daí que nasceu a Lei da Reforma Psiquiátrica de 2001”, explica a coordenadora.

A Lei nº 10.216 de 2001, que dispõe sobre a Reforma Psiquiátrica e os Direitos das Pessoas com Transtornos Mentais no Brasil, deu início ao processo de resgate à cidadania e direitos das pessoas portadoras de transtorno mental. Ao invés de excluir como acontecia antes, a partir da lei o enfoque passou para a pessoa, proteção, assistência e atendimento médico.

Transtorno mental

Dados da Organização Mundial da Saúde apontam que os transtornos mentais acometem 90% da população brasileira. São caracterizados como transtornos mentais, qualquer tipo de dependência, transtorno obsessivo compulsivo (TOC), ansiedade, depressão, tentativas de suicídio, transtornos borderline (psicológicos), bipolaridade.

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.