Covid em SC: sem previsão para fim das fases 1 e 2 da vacinação

Não há previsão para a conclusão das fases 1 e 2 da vacinação contra a Covid-19 em Santa Catarina. A informação é do secretário de Estado da Saúde André Motta Ribeiro, que esteve nesta quarta-feira, 10, na sessão especial da Assembleia Legislativa.

Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui.

“A velocidade da vacinação é dependente do fornecimento de vacinas, estou em busca de respostas, tenho agenda com o Ministério da Saúde para discutir o quantitativo para o estado, novas remessas, temos de acelerar, senão levaremos alguns meses para cumprir as fases iniciais”, reconheceu André Motta Ribeiro, que lamentou não ter “respostas sobre vacinas que estão para chegar”.

De acordo com o plano de vacinação da Secretaria de Estado da Saúde, a fase 1 abrange 426 mil pessoas e a fase 2, cerca de 844 mil, totalizando 1,2 milhão de catarinenses. A fase 1 compreende os trabalhadores da saúde, pessoas com mais de 75 anos, idosos em asilos e indígenas, enquanto a fase 2 está focada nas pessoas com mais de 60 anos.

Em contrapartida, o estado recebeu apenas 298 mil doses, quando seriam necessárias cerca de 900 mil para imunizar com duas doses os cidadãos incluídos na primeira fase.

De acordo com o secretário, já foram aplicadas 96.596 doses, 53,7% do total disponibilizado ao estado pelo Ministério da Saúde. O percentual, conforme explicou Ribeiro, excede os 50% porque o estado já aplica a segunda dose da Coronavac, que precisa ser ministrada 15 dias depois da primeira.

“Ontem começamos a aplicação da vacina para pessoas acima de 90 anos, essa decisão foi tomada com a participação de todos os municípios”, revelou o secretário, acrescentando que mais de 40% dos profissionais de saúde ainda não foram vacinados. “Os profissionais de saúde permanecem como prioridade, se houver sobras de vacinas de um grupo, tem de ser utilizadas entre profissionais de saúde, indígenas ou idosos”.

Divergência de percentuais

Respondendo a questionamento do deputado João Amin (PP), propositor da sessão espacial, Ribeiro ponderou que a diferença entre o percentual nacional (1,79%) de vacinados e o estadual (1,05%) se deve ao menor número de indígenas em Santa Catarina.

Vacinação dos profissionais da educação

Luciane Carminatti (PT) questionou o secretário sobre a possibilidade de vacinação dos profissionais de educação, dado o iminente retorno às aulas. Ribeiro informou que atualmente o quantitativo de vacinas não é suficiente para vacinar professores e servidores das escolas.

Compra de vacinas

Doutor Vicente Caropreso (PSDB) e Ismael dos Santos (PSD) perguntaram sobre a possibilidade de o estado adquirir vacinas para imunizar a população. Ribeiro negou a possibilidade e afirmou que os produtores de vacinas priorizam o ente federal.

“Nenhum laboratório fecha acordo com estado algum sem a anuência do ente federal. Hoje os estados não estão liberados e, quando acontecer, que haja uma ação conjunta dos estados”, propôs o secretário.

Entretanto, Ribeiro enfatizou que Santa Catarina tem interesse em adquirir vacinas. “Os recursos permanecem disponíveis e no momento adequado teremos de lançar mão”, informou o secretário, referindo-se a cerca de R$ 300 mi anunciados como reservados para vacinas.

Máscaras para crianças

Fernando Krelling (MDB) perguntou sobre o regramento para uso de máscaras pelas crianças, uma vez que a OMS antes indicava o uso para crianças acima de dois anos e agora sugere para acima de cinco anos.

“Estamos revendo as regras postas para ver como vamos assumir o uso de máscaras para crianças”, informou Ribeiro, indicando que a decisão será tomada nos próximos dias.

 

 

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo. Inscreva-se agora!

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.