Com coberturas vacinais baixas, surge o alerta contra o sarampo e a paralisia infantil  

Repasse para seus amigos utilizando os links abaixo
Até completar 15 meses de idade, um bebê precisa levado por pelo menos oito vezes na Unidades de Saúde, para proteger-se contra sarampo, caxumba, rubéola, paralisia infantil (poliomielite), entre outras doenças.  Em Içara, a Vigilância Epidemiológica do município está em alerta, devido à baixa procura dos pais e responsáveis para aplicar nas crianças as doses previstas pelo Programa Nacional de Imunização.
De acordo com enfermeira responsável pela Vigilância Epidemiológica de Içara, Laura Maté, a preocupação do órgão é quanto às coberturas para crianças menores de um ano e um ano, que estão abaixo do esperado. “Além da paralisia infantil, há preocupação principalmente com doenças como o sarampo e a coqueluche (tosse comprida)”.  Sobre os motivos que podem estar contribuindo para a baixa adesão, a enfermeira destaca a falta de informação sobre a gravidade das patologias. “Como a vacinação em massa pela rede pública ocorre desde a década de 1970, com a introdução de diversas vacinas ao longo dos anos, a população deixou de vivenciar o medo e o perigo de doenças e surtos como de meningite C, paralisia infantil e sarampo, por exemplo. Doenças como a coqueluche (tosse comprida) também tiveram uma redução grande, mas ainda são registrados casos na região, e a doença pode ser muito grave e até fatal em crianças menores de um ano”, pontua.
 Além disso, segundo a enfermeira, o medo de possíveis reações vacinais também causa receio em alguns pais. “Todas as vacinas que entram para o mercado, tanto para a rede privada quanto para a rede pública, passam por um longo processo antes de ser utilizada em humanos. Além disso, o risco de contrair as doenças e ficar com uma sequela grave ou morrer é muito maior do que o risco que qualquer reação à vacina possa trazer”, adverte.
 Em 2017, a meta no município para a vacinação de tríplice viral (que protege contra sarampo, caxumba e rubéola) nas crianças foi atingida, no entanto, o órgão constatou um grande número de adultos sem comprovante vacinal ou com vacinação incompleta, tornando-os suscetíveis a contrair essas doenças, principalmente o sarampo, e transmitir para outras pessoas. Também em 2017, no caso da vacinação contra a paralisia infantil, que deveria alcançar 95%, o número ficou em 93%. “Apesar da pequena diferença, o município ficou classificado como de alto risco, pois é uma doença grave que está em processo de erradicação no mundo. Uma cobertura de menos de 95% abre possibilidade para ocorrência de surtos. Como ainda há casos da doença em alguns países do mundo, com grande número de viajantes internacionais, pode ocorrer a reintrodução da doença em locais com baixa cobertura”, esclarece.
Risco aos turistas
 De acordo com a coordenadora de Atenção Básica da Secretaria de Saúde Iane Savi, outro fator de  grande preocupação dos órgãos de Saúde é o número significativo de viajantes da região, que vão principalmente para os países da Europa em que há a circulação do vírus do sarampo. Com a ida de turistas para a Copa do Mundo na Rússia, muito tem se comentado sobre os riscos de adultos e crianças contraírem o sarampo, doença extinta no Brasil e ainda não controlada no país.
“O ideal é que todos tivessem se vacinado 15 dias antes de viajar.  Como há um grande número de casos também em vários países da Ásia e África, assim como nos estados brasileiros de Roraima e Amazonas, as pessoas devem procurar uma Unidade de Saúde antes de irem para esses destinos”, informa.
Além dos pequenos, os adultos que não lembram se receberam as dosagens ou que perderam a carteira de vacinação, também precisam estar atentos às patologias.  “No caso da tríplice, a partir de 30 anos apenas uma dose é suficiente. Gestantes não devem se vacinar com esta vacina e pessoas imunodeprimidas somente com avaliação médica criteriosa. Dessa forma, caso esteja planejando engravidar, é importante procurar uma Unidade de Saúde para verificar se as vacinas estão em dia e esperar pelo menos quatro semanas após a aplicação da vacina tríplice viral para engravidar”, esclarece.  Já as pessoas com alergia grave ao ovo de galinha devem procurar seu médico para buscar orientação quanto à vacinação.
Iane ainda reforça que, as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), exigem que no retorno recente de viagem ao exterior, o viajante fique atento para os sintomas característicos do sarampo: febre, manchas avermelhadas pelo corpo, acompanhadas de tosse ou coriza ou conjuntivite, até 30 dias após seu regresso. “Recomenda-se que procure imediatamente um serviço de saúde, informe seu itinerário de viagem, permaneça em isolamento social e evite circular em locais públicos”, explica a enfermeira.
 Campanha
 A Secretaria de Saúde do Município, em parceria com a Secretaria de Educação, está organizando durante este mês uma campanha educativa, para conscientizar os pais e responsáveis sobre a importância das vacinas. Serão realizadas palestras e também enviados comunicados especiais ás famílias.
 “Em 2017, vimos o aumento de 400% nos casos de sarampo na Europa. Foram 21 mil casos da doença e ocorreram 35 mortes. De acordo com a OMS, houve queda na cobertura vacinal no continente, e como o sarampo é uma doença de fácil transmissão, se espalhou de forma rápida por diversos países. Por isso reforçaremos
Repasse para seus amigos utilizando os links abaixo

#sarampo, #Unidades de saúde Içara, caxumba, home_destaque, paralisia infantil (poliomielite), rubéola

Repasse para seus amigos utilizando os links abaixo
Repasse para seus amigos utilizando os links abaixo