Carvão mineral é fonte de energia, postos de trabalho e renda

O carvão mineral é uma matéria prima nacional responsável pela geração de energia elétrica para abastecer casas, prédios, indústrias e iluminação pública, entre outros. A cadeira produtiva do carvão mineral é responsável pela geração de 7,2 mil postos de trabalho diretos e tem injetado R$ 700 milhões/ano na economia da região Sul de Santa Catarina, decorrente de pagamentos de salários, transporte e fornecedores.

 Na ponta desta cadeia produtiva de geração de energia está o Complexo Termelétrico Jorge Lacerda, da Engie Brasil, em Capivari de Baixo, produzindo, em média, 220 MW/mês de energia. A produção do mineral é realizada por meio da extração em minas de carvão e seu transporte até a Jorge Lacerda é realizado pela Ferrovia Tereza Cristina (FTC). É uma atividade perfeitamente sincronizada, à medida que diariamente comboios de trens transportam o mineral, com toda a cadeia produtiva seguindo rigorosas normas técnicas de segurança e cuidados ambientais.

 Por estudos desenvolvidos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), para cada emprego gerado na cadeia produtiva do carvão mineral ajusta-se um fator multiplicativo por três, chegando ao cálculo de 29 postos indiretos de trabalho. Com base nestes números, e multiplicando-se por quatro, estimativas chegam a 100 mil pessoas beneficiadas com esta atividade.

 Minas de Carvão

As minas de carvão da região carbonífera de Santa Catarina, onde é extraído o mineral que abastece Jorge Lacerda, são minas de subsolo localizadas nos municípios de Treviso, Lauro Muller e Içara. De acordo com informações do Diretor Técnico do Sindicato da Indústria da Extração de Carvão do Estado de Santa Catarina (Siecesc), engenheiro Márcio Zanuz, atualmente são gerados uma média de 3 mil postos de trabalho diretos nas minas de carvão, com uma produção média de 2,4 mil toneladas/ano do mineral.  Atividade centenária na região, além da eletricidade, o carvão mineral também está presente no cimento para construção civil, além de inúmeros outros usos que vem sendo desenvolvidos por meio de pesquisas em centros tecnológicos.

 Ferrovia Tereza Cristina

A Ferrovia Tereza Cristina (FTC) foi privatizada em 1997, tendo suas origens na Estrada de Ferro Dona Thereza Cristina, na época do Império no Brasil. Tem o compromisso de transportar o carvão mineral, produzido no Sul do Estado de Santa Catarina com destino ao Complexo Termelétrico Jorge Lacerda (Engie), em Capivari de Baixo, para geração de energia elétrica, e o transporte de cargas em contêineres, para o Porto de Imbituba. Com uma frota, em operação, composta de 11 locomotivas e 250 vagões, a FTC percorre 164 quilômetros de malha ferroviária da região de Criciúma à Imbituba, com ramais até Siderópolis, Forquilhinha, Urussanga e Tubarão, no Sul do Estado, contribuindo para o desenvolvimento dos 14 municípios onde está inserida.

 Jorge Lacerda

O Complexo Termelétrico Jorge Lacerda é formado por três usinas térmicas a carvão mineral, com potência total de 853MW. Foi concebido pelo Governo Federal na década de 1960, para utilização do carvão mineral da região sul de Santa Catarina e proporcionar ao sistema elétrico uma reserva estratégica, principalmente em períodos de escassez de chuvas.

 Por Joice Quadros

Bacharel em Jornalismo (UFRGS). Pós-graduada em Educação e Gestão Ambiental. Especialista em Endomarketing e Comunicação Empresarial. Jornalista JP00339SC
(48) 99984 9967joicedequadros@hotmail.com

 

#carvão mineral, #estrada de ferro, #jorge lacerda, #teresa cristina