Arquitetura e Urbanismo realiza segunda edição do Cinema de Rua

Antônio Alves mora na Rua Henrique Lage e costuma passar pela Praça Nereu Ramos quando vai para casa após um dia de trabalho. Na noite desta terça-feira, 27, ao passar pela Praça, se deparou com uma estrutura da Unesc montada em frente à Casa da Cultura, com pessoas sentadas apreciando uma série de vídeos. Parou e se juntou aos professores e alunos do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade e pessoas da comunidade que participavam da segunda edição do “Cinema de Rua”. “A iniciativa é bem interessante. É algo que a gente não costuma ver acontecendo no Centro. Muda um pouco a rotina que se tem aqui nesse horário”, afirma.

O projeto criado por acadêmicos de diversas fases do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unesc iniciou no segundo semestre de 2017, a partir de uma atividade de uma das disciplinas da graduação. Segundo o coordenador do curso, Pedro Luiz Kestering Medeiros, a cada semestre, os estudantes analisam uma área de um dos municípios da região, realizam visitas in loco – nesta terça-feira foi feita uma à Praça Nereu Ramos – e fazem uma leitura do que pode ser feito para melhor aproveitar os espaços urbanos, e o que pode ser melhorado. “Eles são convidados a verem com os olhos de um arquiteto e urbanista locais pelo qual muitas vezes passamos e não olhamos como cidadãos e não de uma maneira mais técnica. Eles ainda elaboram um estudo com sugestões e apresentam para colegas e professores”, explica.

Argel Biléssimo está na oitava fase do curso e é um dos acadêmicos envolvidos no “Cinema de Rua”. Para ele, o aprendizado extrapola os limites da sala de aula e esse outro olhar para as áreas urbanas traz novas possibilidades para os moradores. “As iniciativas não precisam ser somente do poder público. Nós como acadêmicos também utilizamos diversos espaços que podem ser mais bem aproveitados sem precisar de um grande esforço. Com o “Cinema de Rua”, que tem o apoio da coordenação do curso e da Fundação Cultural de Criciúma, queremos valorizar o patrimônio cultural, trazer um novo olhar para os espaços urbanos, fazer com que a população utilize mais essas áreas que são públicas, se identifiquem com elas, além de oportunizar que produções feitas na região sejam conhecidas pelo público”, comentou o aluno, revelando que para o próximo semestre a iniciativa deve trazer novidades. “Já conversamos com representantes de outros municípios para levar o “Cinema de Rua”. Também pensamos em ampliar e incluir outras apresentações culturais e artísticas”.

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.