Aos 18 anos, Larissa Lúcio sonha com as Olimpíadas

A neoveneziana Larissa da Silva Lúcio, quando descoberta pelo treinador Roberto Bortolotto, nos Jogos Escolares de Nova Veneza, aos 12 anos de idade, era apaixonada pela dança. Até descobrir mais intensamente as pistas de corrida.   “Eu participava dessas competições de escola e de corridas rústicas, quando o Bortolotto,  me selecionou para participar dos treinamentos. No começo eu não levava a sério, ia alguns dias e faltava bastante. Quando a gente é criança só quer brincar”, comenta a atleta.

Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui.

Unesc Mobile

Na época em que começou a treinar, Larissa participava do Grupo Folclórico Ítalo Brasileiro, um dos  mais conhecidos e respeitados de Santa Catarina, até que o treinador Bortolotto, falou que ela tinha um grande futuro no atletismo. “Eu gostava muito de dançar, não queria deixar o grupo, mas chegou um momento que o atletismo era muito mais importante, que poderia ser meu futuro”, considera a atleta.

Destaque no atletismo

Com uma rotina de treinos intensa, de segunda a sexta pela parte da manhã, se tornou o principal destaque do atletismo de Nova Veneza. Hoje, aos 18 anos, ela ressalta a importância que teve a insistência do técnico, em tê-la no DME. “O Roberto foi um cara que mudou boa parte da minha vida, por ter me chamado para esse projeto do atletismo”, considera.

Ainda segundo ela,  o ano de 2019 foi o melhor de sua carreira, afinal foram 20 medalhas conquistadas, além do principal objetivo daquele ano alcançado: o título brasileiro sub-18. A velocista tem a melhor marca do Brasil nesta categoria e é líder do ranking. Larissa ainda se tornou a única atleta de Santa Catarina a conquistar o tetracampeonato seguido na prova dos 800m rasos da Olesc.

Quando o assunto é Olímpiadas, o brilho no olhar da atleta fica evidente. “O maior sonho né? Nem tem como ser diferente, é o auge de um atleta, eu penso nisso sim, sonho sempre em estar disputando uma competição desse tamanho, seria emocionante demais poder representar o meu país em uma Olimpíada”, conta a atleta.

Para o treinador, Roberto Bortolotto, a atleta tomou a decisão correta ao escolher o atletismo. “ E está aí,  se tornou referência no estado em sua categoria. Uma atleta de alto nível”, diz orgulhoso.

 

 

 

 

 

 

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo. Inscreva-se agora!

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.