Alternativa sustentável para a construção civil

A ideia era investir no segmento de construção civil, comprando tijolo ecológico para erguer kitnets para locação. Só que o foco mudou e o administrador de empresas, Nanderson Meurer Michels, 26 anos, foi mais além, resolveu investir em sua própria produção. Pesquisador da proposta do tijolo ecológico há mais de cinco anos, ele juntou suas economias, comprou maquinários e há um ano e quatro meses comanda a todo vapor, a Eco Rentável Tijolos Ecológicos, localizada na cidade de Braço do Norte, que também produz revestimento ecológico.

“Na verdade eu queria uma forma de ter um retorno financeiro, mais lento, porém garantido construindo kitnets. Mas pensei melhor e como já conhecia o processo do tijolo ecológico resolvi eu mesmo fazer minha produção. O tijolo ecológico saiu de uma construção que eu queria fazer para mim e por fim nem comecei”, fala entre sorrisos.

Mesmo sendo considerado um produto novo, a Eco Rentável já faz parte de um projeto que prevê a construção do primeiro condomínio litorâneo totalmente ecológico do Brasil, na Praia de Ibiraquera. Além disso, o administrador revela negociações com uma construtora de Joinville para um prédio de 12 andares e um outro de três andares em Criciúma. “Na obra de Joinville a proposta é de usar o tijolo estrutural tradicional e o ecológico para fechar as paredes. Trata-se de um grande feito”, comemora.

Para atender a demanda de grande escala, se fez necessário investimento, para isto foi adquirida uma máquina automática produz 40 mil tijolos por mês. “O equipamento é de grande robustez, qualidade e produção compacta”, conta e revela que para manter o negócio não é assim tão fácil. “Eu acordo as cinco hora da manhã e retorno às 21 horas. Mas todo esse esforço é compensador”, confessa Nanderson.

Resistência e durabilidade

Também conhecido como tijolo solo- cimento, o produto é utilizado para a construção de mezaninos, bistrô, residências e até mesmo prédios e não é queimado em forno.  Na obra, a vantagem segundo Nanderson é que gera a economia de ferro, cimento, tábuas de caixaria e argamassa para assentar. “Além disso, não é necessário cortar a parede para descer fiação e encanamento. Para isso, usa-se os grouts que são os furos do tijolo. Não tendo recortes não é preciso ter as caçambas de entulhos, o que torna a obra seca e limpa”, destaca.

 Projeto social

Numa proposta para que as pessoas conheçam o tijolo ecológico, o empresário disponibilizou uma quantidade para a um projeto social da Prefeitura de Braço do Norte, com a construção de pontos de ônibus. “Quero mostrar o diferencial do tijolo ecológico, pois se trata de uma proposta econômica, rápida, prática e ecologicamente correta”, finaliza.

 

 

 

 

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.