Acusada de assassinar grávida com estilete e roubar bebê vai a júri popular

A Justiça determinou que Rozalba Maria Grime, acusada de cortar a barriga da grávida Flávia Godinho Mafra com um estilete para roubar o bebê, em Canelinha, vá à júri popular. De acordo com sentença do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina, o julgamento será por homicídio quintuplamente qualificado com agravante, tentativa de homicídio qualificado, ocultação de cadáver, de parto suposto, de subtração de incapaz e de fraude processual.

Segundo a sentença, o homicídio de Flávia será julgado como qualificado por “motivo torpe”, “emprego de meio insidioso ou cruel”, “emboscada, dissimulação ou recurso que dificulte a defesa da vítima“, “para assegurar vantagem de outro crime”, “contra mulher por razões da condição de sexo feminino” e com aumento da pena por ter sido praticado contra gestante.

Rozalba ainda publicou nas redes sociais sobre o desaparecimento de Flávia. A publicação foi feita no Facebook  horas antes do caso ser descoberto. Diversas pessoas se mobilizaram nas redes sociais na procura por ela.

Entre em nosso grupo e receba as notícias no seu celular. Clique aqui.

O documento, assinado pelo juiz José Adilson Bittencourt Junior, desta segunda-feira, 26, aponta que serão intimados o Ministério Público, o assistente de acusação e a defesa de Rozalba para que apresentem o rol de testemunhas que irão depor em plenário. Portanto, ainda não há data para o júri acontecer.

Após a defesa solicitar um exame de sanidade, O MPSC apresentou um laudo informando que a Rozalba Maria Grime é mentalmente sã e que pode ser julgada pelos crimes.

“Entendo que o laudo pericial apresentado aos autos se mostra válido e eficaz, constituindo-se em prova da capacidade da ré, classificando-a entre os imputáveis, uma vez que Rozalba “não possui qualquer transtorno psiquiátrico, doença mental, perturbação da saúde mental ou desenvolvimento incompleto ou retardado”, apresenta o documento.

O companheiro de Rozalba, que também havia sido denunciado pelo MP foi solto por estar comprovado que ele não teria atuado como coautor. Segundo a decisão, o Ministério Público solicitou que a Justiça absolvesse, Zulmar Schiestl, marido da autora do assassinato, alegando que ele foi enganado.

Mulher presa por matar amiga grávida compartilhou pedido de ajuda no Facebook

Você também pode gostar

Entre no nosso grupo do WhatsApp e seja atualizado em tempo real.